A vida no crediário

Quando você tem um filho, você aprende a viver uma vida no sistema de crediário. Não, não estou falando de dinheiro, embora muita gente realmente dependa de parcelamentos para pagar as contas depois que a família aumenta. Eu me refiro ao tempo. Quando você tem uma criança em casa, o tempo é dela e ponto final. Ao menos, claro, para quem quer viver a paternidade ou a maternidade de forma intensa. Assim é que, coisas que você fazia de forma contínua antigamente, não faz mais. Lembra que você assistia a um filme do início ao fim sem se levantar nem ao menos para ir ao banheiro? Lembra que você pegava um livro e lia 40 páginas tranquilamente no sofá? E aquela revista que chegava no domingo e você conseguia ler da primeira até a última página sem parar? Claro, as noites! Aquelas longas noites em que você se deitava, via um pouco de tv e fechava os olhos para abri-los apenas na manhã do dia seguinte, às vezes até no começo da tarde! Com aquele sorrisinho encantador em casa, tudo isso passa a ser uma vaga lembrança. O que você tem é uma vida de crediário, na qual quase tudo o que você faz é parcelado: assistir a um filme, ler um livro ou uma revista, ver tv ou dormir durante a noite. E quer saber de uma verdade? Eu sempre detestei crediário, em todos os sentidos. Agora, contínuo detestando, mas apenas quando se relaciona ao dinheiro. No mais, acostumei-me a ler uma ou duas páginas antes de ouvir a palavrinha mágica: papai! Treinei minha antes inexistente habilidade de conseguir guardar o enredo de uma história, seja na tela ou na folha de papel, por mais tempo do que qualquer dia imaginei que conseguisse em minha vida. E, assim, aquele filme começa a ser visto na sexta e só termina no domingo à noite. Ruim? Depende do ponto de vista. Aliás, depende nada: basta um sorriso faceiro na minha frente e meu coração se aquieta, sabendo que a vida agora é parcelada. Graças a Deus!

Alexandre Henry

ALVES, Alexandre Henry. A vida no crediário. Disponível em <http://dedodeprosa.com/conteudo/outrostextos/a-vida-no-crediario/>. Acesso em: 25/10/2021