Modo de Ver

HOME   /   MODO DE VER   /   DO LADO DO MAIS FRACO

A coluna "Modo de Ver" foi publicada semanalmente no jornal Correio de Uberlândia de janeiro de 1996 a dezembro de 2016. A partir de 2017, os textos passaram a ser publicados no Diário do Comércio de Uberlândia.


4 Comentários  
690 Visualizações  
15 de Janeiro de 2014 Alexandre Henry

Do lado do mais fraco

O brasileiro tem uma mania muito arraigada de sempre se posicionar do lado do mais fraco, independentemente da situação. Claro, desde que ele não esteja envolvido na contenda e não seja o mais forte da disputa. Se essa não for a situação, ele sempre tomará partido do “coitadinho”.

Tome como exemplo um acidente de trânsito no qual um sujeito dirigindo uma Ferrari atropele um trabalhador em uma bicicleta velha e enferrujada. Ainda que o trabalhador tenha atravessado a rua em lugar impróprio, ainda que o dono da Ferrari esteja dentro da velocidade permitida ou que o ciclista tenha atravessado no sinal vermelho, a tendência do brasileiro em geral será culpar o motorista que cometeu aquela barbárie contra o “pobre coitado”. Somos assim. Não torcemos ao máximo pela seleção do Taiti na Copa das Confederações, mesmo eles jogando uma porcaria de futebol diante da beleza do jogo da Espanha? E nas disputas entre empregado e empregador, a tendência não é achar que o empregado sempre tem razão, ainda que ele não tenha trabalhado direito, não tenha cumprido a carga horária e seja um preguiçoso? Sim, o brasileiro em geral, resguardadas as poucas exceções, é partidário da “cultura do coitadinho”.

Olhar pelos mais fracos é uma virtude muito importante para um povo. O problema é que, no Brasil, essa virtude não existe, ainda que exista esse comportamento da massa se colocar sempre ao lado do mais fraco. Mas, tal comportamento se dá apenas quando há uma disputa com o mais forte. Quando o “coitadinho” não está peleando com ninguém, é abandonado à própria sorte. Todo mundo quer linchar o dono da Ferrari que atropelou o trabalhador ciclista, mas se não existe atropelamento, ninguém se preocupa em ajudá-lo a trocar o pneu careca da sua bicicleta. Assim acontece em todas as situações. Gostamos de tomar partido em uma briga entre desiguais, mas não de ajudar o desfavorecido quando não há disputa alguma. E, para piorar as coisas, tomamos partido na briga sem refletir sobre quem tem razão ou não. Ainda que o pobre sujeito tenha causado o acidente, ficamos do lado dele, comportamento que favorece o surgimento de pessoas inescrupulosas, as quais, sob o mando do “coitadinho”, aproveitam-se dessa cultura brasileira para sempre levar vantagem, mesmo estando errado.

Enfim, se é para agirmos de forma correta, vamos tomar partido em uma disputa em favor de quem tem razão, não de quem é mais fraco. E, caso não exista disputa alguma, que demonstremos preocupação real com o menos favorecido, ajudando-o a se tornar um pouco mais forte.

Alexandre Henry

Avalie o texto:

Comentários

  1. h3XOlppz4FfE

    23 de Dezembro de 2016 às 04:32

    fact, although Kel (quite kindly) didn’t say it explicitly in her post about why we started The Dao of Doing on September 6th, much of the prtaoastincoirn through perfectionism came from me. If she had let me, I would have

  2. E1K6yMSUSM

    24 de Dezembro de 2016 às 10:59

    Woah nelly, how about them <a href="http://ndlaxphi.com">apepls!</a>

  3. 3EWP83VrwdZV

    25 de Dezembro de 2016 às 17:25

    Such an imsrespive answer! You've beaten us all with that! http://upinwkmml.com [url=http://rwxjeztun.com]rwxjeztun[/url] [link=http://pujgakqf.com]pujgakqf[/link]

  4. 0W2vAXK6d

    27 de Dezembro de 2016 às 01:41

    Deep thinking - adds a new <a href="http://ychpchfc.com">dioeisnmn</a> to it all.

Envie seu comentário

Seu email não será exibido.*