Modo de Ver

HOME   /   MODO DE VER   /   ATÉ O AMANHÃ

A coluna "Modo de Ver" foi publicada semanalmente no jornal Correio de Uberlândia de janeiro de 1996 a dezembro de 2016. A partir de 2017, os textos passaram a ser publicados no Diário do Comércio de Uberlândia.


4 Comentários  
299 Visualizações  
25 de Julho de 1996 Alexandre Henry

Até o amanhã

Num lugar distante, um rapaz caminhava pela rua estreita da cidade, chutando as pedras que encontrava pelo caminho e enxugando as lágrimas. Já era noite, a pequena população parecia dormir. Ele não, acabara de perder o seu grande amor numa briga tola e queria ficar olhando um pouco as estrelas, para imaginar todas as formas de encontrá-la novamente e declarar a sua paixão. Em silêncio, sentou-se num banco de praça e ficou quieto, quando de repente ouviu uma voz:

- Tempo. Se alguém me ofertasse agora o meu último desejo antes da minha partida, eu pediria tempo...

Assustado, o rapaz viu que ao seu lado um velhinho falava qualquer coisa.

- O que o senhor disse?

- Tempo, meu filho. É a única coisa que não está ao nosso alcance. Mas olha, pensando bem, eu não pediria mais um ou dois meses de vida, isso não, viver agora já não é mais um prazer para mim. Eu pediria apenas para conseguir entender o tempo, com isso metade dos enigmas da vida estariam solucionados...

- Do que o senhor está falando? - perguntou o rapaz, estranhando aquele velho que fazia reflexões àquela hora ao seu lado, justamente no pior dia da sua vida.

- Meu filho, quando eu era mais novo que você, meu pai se foi. Eu chorei muito, passei todo o velório ao lado do corpo. Nesse dia, eu me senti a pior pessoa do mundo, porque achei ter vivido pouco com o meu pai. Se soubesse que ele partiria tão cedo, teria passado cada instante ao seu lado. Mas já não era mais possível. Foi a primeira vez que eu me senti impotente diante do tempo, porque eu nada podia fazer.

- Mas...

- Poupe suas palavras, meu filho, que as minhas são muito mais valiosas e carregam vários anos de aprendizado. Como eu lhe falava, a morte do meu pai me despertou para o tempo. Depois, passei a viver mais com a minha mãe, dava valor àquelas suas longas conversas, eu apenas olhando e a minha mãe sem entender o filho atencioso. Não precisava entender, a paz de coração quando ela também se foi explicaria tudo. Ah, queria apenas que as coisas fossem simples como aquele aceno de despedida! Besteira, meu filho, a gente aprende ontem, hoje e amanhã e mesmo assim não sabe nada. Como na vez em que perdi o meu grande amor. Sabe como foi? A gente estava junto há um tempo tão grande que eu achei ser dono de tudo. De repente, uma palavra errada, muitos desencontros, acabou antes que eu pudesse repousar a minha cabeça e dormir tranqüilo, para esperá-la no dia seguinte. Só que não havia dia seguinte, nada. Foram seis meses de desespero, quando percebi a gravidade da briga, passei a procurá-la todos os dias, declarava o meu amor, esperava-a na porta da sua escola, mandava cartas e mais cartas, chorava, implorava, fazia de tudo, só que nada adiantava. A cada vez que procurava por ela para dizer do meu amor, mais ela se afastava de mim. O tempo passou, meu filho, e me ensinou que ele próprio era a resposta para tudo. Entre as nossas lágrimas pelo amor que se desfazia, precisávamos apenas de tempo. Era tão simples como esse céu cheio de estrelas, mas eu não conseguia enxergar.

- Então, por que você gastaria o seu último pedido com uma lição sobre o tempo? Você já não aprendeu? - perguntou o jovem, enxugando uma lágrima.

- Não, eu não aprendi. Ela se foi, deixei os anos se passarem, um dia recuperamos o nosso amor, muitos anos depois, e fomos as pessoas mais felizes do mundo.

- Então! Eu não entendo...

- Meu filho, deixe o seu amor se acalmar um pouco, dê à sua namorada o tempo que precisar, ela voltará. Quando isso acontecer, você entenderá o meu pedido. Tudo o que precisamos saber é lidar com as horas, saber quando devemos adiantá-las e quando devemos atrasá-las. Agora vá, descanse um pouco. Eu ficarei aqui, sentindo saudades do meu amor e me perguntando como é possível fazer o tempo, que tantas vezes desejei tê-lo pela eternidade, passar mais rápido. Sabe, eu já estou muito velho para viver sozinho, preciso aprender a agüentar mais um pouco, a brigar com as horas. Falta-me apenas isso para reencontrá-la novamente, quem sabe em uma outra vida, porque ela deve estar lá esperando o tempo passar também, para a gente se reencontrar e aproveitar junto cada instante de nossas vidas.

Alexandre Henry

Avalie o texto:

Comentários

  1. 4HkeaCiNDY

    23 de Dezembro de 2016 às 02:11

    How does their mitneeasmrtt of our people justify our mistreatment of their people? I'm with McCain, a civilized nation does not torture their prisoners. No matter what the provocation, no matter what the goal. A civilized people have standards and they live by those standards. You don't want to live by those standards, then stop calling yourself civilized.

  2. hx7wdi3V1

    24 de Dezembro de 2016 às 10:51

    Always the best content from these <a href="http://qlduavilj.com">prugidioos</a> writers.

  3. WHZoTLzpAT

    25 de Dezembro de 2016 às 17:18

    You got to push it-this esesntial info that is! http://nmrbkv.com [url=http://nhrpvxs.com]nhrpvxs[/url] [link=http://ouyeml.com]ouyeml[/link]

  4. IzglETkB9

    27 de Dezembro de 2016 às 01:34

    I'll try to put this to good use <a href="http://xfpmjz.com">imlaidetemy.</a>

Envie seu comentário

Seu email não será exibido.*